Bilionário e filantropo afirmou que, se a única lógica da distribuição de remédios contra Covid-19 for a do mercado, a pandemia vai ser mais longa e mortal.

Fundador da Microsoft Bill Gates durante evento de tecnologia em Pequim, na China, em 2018 Thomas Peter/Reuters O bilionário filantropo Bill Gates afirmou que as drogas para combater a Covid-19 e uma eventual vacina devem ser disponibilizadas aos países e povos que mais precisam, e não a quem pagar mais --se a lógica da distribuição desses fármacos for a do mercado, afirmou, a pandemia vai se prolongar.

As declarações foram divulgadas neste sábado (11), em uma conferência sobre Covid-19 organizada pela Aids Society. Coronavírus: Como Bill Gates virou alvo de teorias da conspiração sobre a pandemia "Se nós deixarmos as drogas e as vacinas irem para quem pagar mais, e não para as pessoas e locais onde são mais necessários, a pandemia será mais longa, mais injusta e mais mortal", afirmou. "Precisamos que os líderes tomem essas decisões difíceis sobre a distribuição com base em equidade, e não fatores de mercado", disse. Com centenas de projetos de vacina encaminhados --os governos europeus e dos Estados Unidos investiram bilhões de dólares em pesquisas--, há a preocupação que os países ricos iriam levar todas as drogas promissoras contra o coronavírus e deixar os países em desenvolvimento sem nada. A Comissão Europeia e a Organização Mundial da Saúde (OMS) avisaram que pode haver uma competição não saudável na busca por um medicamento.

Dentista fala como é ser 1ª brasileira a participar de testes de vacina contra Covid-19 Autoridades do governo dos EUA, no entanto, já afirmaram que vão priorizar residentes do país. Gates disse que os esforços começaram há décadas, para combater a crise de HIV/Aids, quando os países se juntaram para que os remédios que combatem esse vírus e essa doença estivessem disponíveis em todo o mundo.

Isso, de acordo com ele, pode servir como modelo para tornar os remédios contra Covid-19 mais acessíveis. Os exemplo são o Fundo Global para Combater a Aids, Tuberculose e Malária, de 2002, e o Plano Emergencial de Alívio para a Aids. "Uma das grandes lições na luta contra o HIV e a Aids é a importância de construir esse sistema global de distribuição para que as drogas cheguem a todos", ele afirmou. Gates é o fundador da Microsoft.